.....

Pará/Brasil

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Articulações perigosas

Candidato preso ao compromisso financeiro


Pois bem, amigos e amigas do Café com Política, a cada dia que passa, estamos mais perto das benditas eleições municipais e, com isso, é normal que as articulações políticas se intensifiquem nos bastidores políticos.

Cada grupo político busca o máximo de aliados possíveis para dar ou aumentar sua musculatura eleitoral. Porém, a sociedade precisa estar de olhos bem abertos para determinados acordos maléficos realizados nos bastidores.

A história é a seguinte: determinados candidatos, demasiadamente eufóricos, estão buscando aliados não apenas no campo político, mas também na área financeira, ou seja, buscam financiadores para suas respectivas campanhas.

Até aí, beleza. Enquanto não existir o financiamento público de campanha, a saída para os candidatos é buscar apoio financeiro juntos à iniciativa privada e aos simpatizantes de sua candidatura, desde que devidamente contabilizados, seguindo as determinações legais estabelecidas pela legislação eleitoral.

Contudo, diferentemente da legalidade mencionada acima, o que se ouve nos bastidores é que, em especial, determinado candidato está buscando em Belém “parceiros” para financiar sua campanha para prefeito afirmando que sua vitória é certa e já comprou, inclusive, a caneta para sua posse, em 1º de janeiro de 2013, com um detalhe: a caneta está cheia e com refil na gaveta, caso precise recarregar.


Pré-candidato se curvando ao seu financiador de campanha


O grande problema é que este “empréstimo financeiro” pode não ser pago do bolso do pré-candidato que está buscando os supostos acordos espúrios, mas sim do bolso da população local, ou seja, dos cofres públicos municipais.

O Blog acredita que não se deve buscar o poder pelo poder, simplesmente. Mas sim por se ter um projeto real de melhorias para a sociedade que se pretende administrar.

Administrar bem o dinheiro público deve ser um compromisso diuturno do gestor municipal, tendo em mente, sempre, que o dinheiro administrado não é seu, mas sim do povo e, por isso, deve ser bem aplicado em favor deste, seu verdadeiro e único dono.

Nesta fase de confetes e serpentinas o candidato não pode acreditar que já está pronto para dominar o mundo e sair fazendo “compromissos” contando com o dinheiro público, pois além de ser imoral é ilegal. A população não aguenta mais tanto descaso com a coisa pública.

Fazer esse tipo de articulação (perigosa) é o mesmo que vender a alma para o diabo. Depois não adianta reclamar, pois a fatura chegará e ela precisa ser quitada a qualquer custo.

São as Eleições 2012 a todo vapor.    


Um comentário:

Anônimo disse...

Ta igual Vanderlei caimbra fazendo o que mesmo em Belém, negociando se fazendo e passando de Prefeito recem eleito(se cuide garato)em redenção tem gente com garra pra isso.