.....

Pará/Brasil

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Redenção: é hora de sentar................ prefeito Wagner Oliveira senta com desafetos políticos e mostra seu poder de sedução




Pois bem, amigas e amigos do Café com Política, sabemos que as Eleições 2012 estão batendo na porta e pedindo licença para começar. Enquanto isso, o tabuleiro político está se mexendo conforme manda o manual.

Em Redenção, o prefeito Wagner Oliveira (O Fontes) está fazendo sua parte e chamando seus desafetos políticos para uma conversa ao pé do ouvido. Os argumentos do prefeito são os mais variados possíveis. De início, ele começa dizendo o motivo de não conseguiu fazer absolutamente nada durante os quatro anos de governo.

Tenta explicar ao, até então, desafeto que encontrou uma forma de mostrar que está trabalhando, pois, como não tem competência, articulação política, tampouco habilidade administrativa para conseguir recursos para construir, passou a desmanchar as calçadas e refazê-las para dar a impressão de que a prefeitura está trabalhando, foi o que deu pra fazer durante o mandato inteiro.

Depois de tentar convencer a todos que sua inércia administrativa tem justificativa, o prefeito passa a apresentar o paraíso a todos aqueles que se convencerem dos argumentos apresentados por ele.

E como é o paraíso?

Isso o Blog não sabe informar, pois somente aqueles que sentaram com o prefeito e se convenceram de que ele não é um câncer para a administração pública municipal é quem pode responder a esta pergunta.

Caso algum amigo do Blog conheça qualquer agente político que sentou com o prefeito e se convenceu de que ele é vítima e a sociedade de Redenção é a vilã desta novela mexicana chamada “administração modelo da Amazônia”, por favor, nos informe qual foi o paraíso mostrado pelo performático prefeito para matar nossa curiosidade.

Certo mesmo, amigas e amigos do Café, é que a partir de agora vocês irão se assustar com o comportamento defensivo de algumas pessoas que até outro dia combatia o desgoverno instalado na prefeitura de Redenção.



Nenhum comentário: