.....

Pará/Brasil

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Santana do Araguaia: Prefeito Eduardo continua ignorando orientação do PMDB e fortalece aliados do PSDB

Jader Barbalho e Eduardo da Machado, ambos do PMDB


Pois bem, amigas e amigos cafeinados, os caciques regionais dos principais partidos políticos do Pará estão em pé de guerra faz tempo, mas seus liderados municipais ignoram os sinais e praticam o adultério em plena luz do dia.

Em Santana do Araguaia, o prefeito Eduardo da Machado, do PMDB, na contra mãos do que está sendo estrategicamente desenhado pelo seu partido, fortalece aliados do Governador Simão Jatene e enfraquece as pretensões políticas do partido que lhe deu a mão quando ainda era pré-candidato.


Helder Barbalho, Jader Barbalho, Deputado Parsifal & Cia estão suando a camisa para preparar as trincheiras para as eleições do ano que vem, em prol de um projeto político PMDBista, mas o prefeito Eduardo ainda não entendeu o recado e parece necessitar de legenda para entender o filme que passa em sua frente. 


Deputado Fernando Coimbra (PSD) e Deputado Giovanni Queiroz (PDT)


O boato que circula em Santana do Araguaia é de que o prefeito fechou acordo político com os Deputados Fernando Coimbra (PSD) e Giovanni Queiroz (PDT), ficando com estes a responsabilidade de indicar o próximo secretário de saúde.

Pelo que tudo indica, o novo secretário será o Sr. Fredson, quem vem a ser ex-secretário de saúde de Pau D’arco, antigo reduto eleitoral dos deputados, quando o prefeito era Luciano Guedes (PDT).

Contudo, o que soa estranho não é a indicação de “A” ou “B” para as pastas municipais, mas sim a tentativa do prefeito Eduardo em fortalecer um deputado (Fernando Coimbra) que irá trabalhar contra os interesses do seu partido.

Em resumo, Helder Barbalho e PMDB ajudaram Eduardo da Machado vencer as eleições em Santana do Araguaia e agora terão em retribuição o “empenho” do prefeito para destruir o projeto político da própria legenda.


São as Eleições 2014 a todo vapor.


segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Eleições 2014 no Pará: A atuação dos candidatos Mestres dos Magos no sul do Pará




A representação política do sul do Pará, estadual e federal, é praticamente inexistente, no tocante aos agentes políticos com mandato. Aqueles que hoje possuem mandato federal, Zequinha Marinho (PSC) e Giovanni Queiroz (PDT), não conseguem extrair 10% do que seus mandatos poderiam trazer em benefício para região. Porém, até hoje, conseguiram se reeleger graças a um forte instrumento que possuem em mãos, qual seja, a direção estadual de seus partidos políticos e, no caso do Zequinha Marinho, a força de sua igreja, que o torna um candidato de um eleitorado diferenciado.

Contudo, tirando os dois personagens acima - que mesmo não contribuindo com uma vírgula para promover alguma melhoria no extremo sul do Pará, pelo menos, continuam com seus domicílios eleitorais em Conceição do Araguaia e Redenção, respectivamente  - verdadeiros candidatos Mestres dos Magos estão surgindo pela região.

A população do extremo sul do Pará não merece tanto desprezo por parte das otoridades. A desfaçatez é tanta que mesmo aqueles que frequentam os bastidores políticos ficam nauseado com tanta cara de pau.

O indivíduo nunca teve nenhum contato com aquele determinado município e agora, como num passe de mágica, passa a frequenta-lo, prometendo mundos e fundos, declarando juras de amor, garantindo revolucionar aquela triste realidade.

O Café não sabe o que é pior: ver esses pré-candidatos armarem esse picadeiro, fazendo o povo de palhaço, ou se é ver os agentes políticos locais cair na mesma história esfarrapada que terão apoios futuros nas suas pretensões políticas.

O Café cita um exemplo: Santana do Araguaia. O Prefeito Eduardo da Machado (PMDB) está colocando tapete vermelho para alguns candidatos que por lá aparecem. O prefeito promete toneladas de votos. Garante, ainda, direcionar várias lideranças locais para dar apoio às candidaturas. Ocorre que esses candidatos são de Belém, que fica 1.200 km de distância da sofrida Santana do Araguaia. Sendo eleito, sabe quando esse candidato voltará à Santana ou trabalhará em prol do desenvolvimento da cidade? Nunca! A distância é enorme e o eleitorado é pequeno demais para o já deputado investir num frequente e caro deslocamento.

O que hoje o pré-candidato precisa é garantir alguns poucos votos na cidade para somar com outros pequenos votos de outras cidades para, enfim, somar com a grande quantidade de votos que provavelmente irá obter nos município que formam sua verdadeira base eleitoral. Santana do Araguaia, na verdade, se tornará uma mera batata frita, ou seja, os votos servirão apenas para acompanhar o prato principal que virá da base eleitoral do candidato.

Resultado: o pobre povo do sul do Pará continuará sem educação, sem saúde, sem segurança, com pontes assassinas e também continuará sem um parlamentar atuante para lhe defender as causas.

Infelizmente, o presente texto não será lido pela grande massa, pois seria muito bom que os eleitores pudessem identificar aqueles agentes políticos locais que apresentam pré-candidatos de outras regiões sem qualquer compromisso com o sul do Pará para que, na próxima eleição, paguem com a perda do seu mandato ou, caso almejem um, não tenham o voto de confiança do eleitorado.

Caros amigos cafeinados, para identificar se o sorridente pré-candidato que hoje aparece no seu município é o famoso Mestre dos Magos (aquele que desaparece quando o povo mais precisa), pergunte ao mesmo seu domicílio eleitoral, ou seja, pergunte em qual cidade ele vota. Com essa simples pergunta, o eleitorado do sul do Pará fará cair a máscara de muitos que bradam ser representantes da região.

São as Eleições 2014 a todo vapor.



Eleições 2014 no Pará: Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come

Jatene (PSDB) X Helder e Jader Barbalho (PMDB)


Pois bem, amigas e amigos do Café com Política, o clima está cada vez mais quente nos bastidores da política estadual. As Eleições 2014 prometem fortes emoções.

A falta de verdadeiras lideranças políticas e grupos minimamente qualificados, obrigam o eleitor escolher o “menos pior” dentre os inúmeros candidatos sem noção lançados pelos partidos políticos que apenas visam o preenchimento das vagas que o partidos ou coligações podem lançar, com o intuito de atingirem o quociente eleitoral.

O PSDB, do Governador Simão Jatene, ao término de seu mandato, irá para 16 anos de poder no Pará (Almir Gabriel [8 anos], Jatene [8 anos]). Os índices da educação, saúde e segurança pública não são dos mais positivos. Pelo contrário, são alarmantes. Salvo raras exceções, a equipe administrativa parece estar cansada, apática.

Por outro lado, o cenário que o eleitor paraense visualiza também não é dos mais agradáveis, pois recolocar a família Barbalho no poder pode ser a gota d’água que falta para a coisa desandar de vez.

O PMDB de Jader e Helder Barbalho sempre se mostrou um partido amante do poder, independentemente de quem esteja no comando do município, estado ou país.

A família Barbalho, nos últimos anos, sempre teve dificuldade em convencer o eleitorado de Belém e região metropolitana que suas intenções em alcançar o executivo da capital são as melhores possíveis.

Durante seu mandato em Ananindeua, Helder não fez grande coisa, mas só de não possuir uma mídia extremamente política contra sua administração, qual seja, o Grupo RBA (de sua propriedade e de sua família), já é o suficiente para não sair tão desgastado quanto sairia um mandatário que não possui tal regalia.

A dificuldade que o PMDB possui junto ao eleitorado da capital e região metropolitana faz com que os opositores, principalmente nas eleições em Belém, vinculem o candidato PMDBista à imagem de Jader Barbalho, com o intuito de enfraquecê-lo eleitoralmente. Nas Eleições 2012, o Deputado Priante (PMDB) sofreu na pele tal estratégia e obteve menos votos que o estagiário do Wlad, Jefferson Lima (PP).

Helder está em plena campanha política. Viaja o Pará inteiro promovendo suas reuniões políticas. De segunda à sexta, direciona seu arsenal midiático e faz sua voz ecoar nos quatro cantos do Estado entrando em rede pela Rádio Clube (rádio da sua família) e demais rádios amigas espalhadas pelo interior.

O grupo político ligado do Governo, e consequentemente ao PSDB, não conseguindo administrar e criar estratégias políticas eficientes para contrapor o concorrente, padece com as pesadas críticas externadas pelo radialista Helder Barbalho que, em verdade, apenas utiliza a ineficiência administrativa tucana para tirar proveito eleitoral.

É como o blog sempre fala: é o jogo jogado, simples assim. Cada um luta com as armas que tem. E Helder possui inúmeras armas eficientes.

Em suma, as Eleições 2014 não trarão nenhuma novidade aos eleitores paraenses, pelo contrário, estes terão mais do mesmo. Encontrarão no horário eleitoral as velhas caras prometendo continuar com o árduo trabalho em prol dos mais carentes e blá..blá...blá...  

São as Eleições 2014 a todo vapor.