.....

Pará/Brasil

sábado, 26 de março de 2016

A delação da Odebrecht: quem sobrará para contar a história? (parte II)

Marcelo Bahia Odebrecht


Em meio às delações premiadas que atormentam Lula, Dilma, petistas em geral, o governo como um todo e também a oposição, essa semana foi divulgada a delação de Marcelo Odebrecht, o herdeiro da maior empreiteira da América Latina.

É bem verdade que não dá para saber qual das delações em curso é a mais bombástica, a mais destruidora, pois todos os envolvidos são influentes e de informações privilegiadas, como o senador Delcídio do Amaral, por exemplo.


Mas a delação da Odebrecht, sem dúvida, para conseguir o carimbo de “premiada” terá que informar, e provar, coisas muito interessantes que os investigadores ainda não sabem e que não foram contadas e provadas por outros delatores. A Odebrecht terá que abrir o coração sem medo de ser feliz, e isso significa que não somente o governo corre o sério risco de se transformar em pó, mas a oposição, ou parte significativa dela, também.


A Odebrecht financiava gregos e troianos sem distinção, e não fazia isso por acreditar na ideologia de cada partido político ou mandatário, mas por interesses econômicos. E é exatamente o raio-x dessa relação doação/benefício que os investigadores pretendem se debruçar, identificando cada operação ilícita narrada por Marcelo Odebrecht.

Levando em consideração a lista de nomes, partidos e valores encontrada recentemente no “departamento de propinas” da Odebrecht, uma pergunta ficou no ar: após a delação de Marcelo Bahia, quem sobrará para contar a história?

Nenhum comentário: